Não deu para completar o Desafio Fitness

Olá!

Fiquei doente ontem e não pude me exercitar, então simplesmente tive que parar o desafio. Hoje ainda estou sentindo dores no corpo, mas já estou melhorando.

O desafio ao menos me ajudou a colocar nos trilhos o meu costume de fazer exercícios físicos. Desejo continuar as práticas mesmo depois de não ter sucedido nesse desafio. 27 dias de exercícios físicos ajudaram a criar o hábito de me exercitar, entretanto, para mantê-lo, depende de mim apenas.

Não irei mais escrever para o Vivendo Com Esquizofrenia porque estou com um blog próprio através do luizbrug.com.br. Lá, estarei escrevendo sobre bem-estar mental e sobre como lidar com o que chamam de transtorno esquizoafetivo e outros transtornos mentais.

Agradeço muito a atenção que você me deu até aqui. Muito obrigado!

 

[Dia 27] Desafio Fitness de 30 dias

Mais 1 dia de exercícios físicos por 1 hora, mas o meu corpo está cansado. Talvez eu esteja começando a ficar resfriado e, portanto, sinto um pouquinho de dor por todo o corpo. Espero que eu fique melhor amanhã, porque quero muito terminar esse desafio (mas, claro, não negligenciarei a minha saúde).

O meu exercício de hoje foi um pouquinho mais pesado que ontem. Faço um processo de alongamento com aquecimento nos primeiros 15-20 minutos, mais 25-30 minutos de exercícios mais pesados e acelerados (como movimentos de Sanshou/Boxe Chinês, flexões e prancha) e então finalizo com alongamentos e movimentos mais relaxantes nos últimos 10-15 minutos.

Eu já fiz faculdade de Educação Física e cheguei a dar aula durante os estudos, então tenho alguma noção de como montar os treinos e fazer os movimentos. Pessoalmente, acho importante ter o apoio de um profissional para fazer exercícios em casa e, além disso, ter aval médico.

Era isso por hoje. O texto é curtinho, mas a notícia é boa (pelo menos na parte de que completei mais 1 dia). Forte abraço!

[Dia 26] Desafio Fitness de 30 dias

Mais 1 dia de 1 hora de caminhada!

Hoje publiquei a minha primeira postagem para o meu novo website, Luiz Brüggemann: Como é viver com transtorno esquizoafetivo. Também atualizei a capa do meu livro Conquistas após um diagnóstico (a minha mãe disse que o tema ficou parecido com uma antiga novela da Globo, Terra Nostra).

capa-para-compartilhar-02

Encontrei um canal muito legal no YouTube que se chama Jornada Bipolar. A Greice, apresentadora do canal, mostra muitas informações sobre a bipolaridade, desde remédios até histórias de outras pessoas. Vale muitíssimo a pena conferir para qualquer pessoa que tem um transtorno mental, e também para familiares, amigos e conhecidos de pessoas com transtorno mental.

Eu ainda tenho vontade de dar uma atenção maior para o meu canal do YouTube, entretanto, ainda acho que gaguejo muito nos vídeos e isso não me faz sentir confortável. Mas ainda tenho vontade de me expressar mais através de vídeos. Apesar de eu achar que não me desempenho bem na frente de uma câmera, eu amo fazer isso.

No mais, era isso por hoje. Muito obrigado por ler até aqui 🙂

[Dia 25] Desafio Fitness de 30 dias

Um dia a mais de 1 hora de caminhada!

Felizmente, estou dando asas a muitas ideias minhas e futuramente teremos maiores novidades. Estou também muito ansioso para começar o meu curso de Coaching e Desenvolvimento Humano porque é um tema que me interessa MUITO. Nem acredito que vou começar a estudar coaching.

Também refiz a capa do meu livro Conquistas após um diagnóstico e o revisei inteiramente. Foi um processo divertido e amanhã postarei como ficou a capa final. Estou muito ansioso pelas minhas próprias novidades que estão por vir, ahah.

Enfim, amanhã estarei postando novidades sobre os meus projetos aqui no blog e muito provavelmente estarei descontinuando-o após terminar esse desafio.

Muito obrigado por ler até aqui! Abraço!

[Dia 24] Desafio Fitness de 30 dias

Fiz uma caminhada de 1 hora hoje e, além disso, o dia está lindo aqui em Florianópolis. Seria o dia ideal para ir às dunas da Joaquina e praticar um pouco de sandboard (fico suspirando de vontade apenas, ahah).

Enquanto caminhava, eu estava refletindo sobre os diagnósticos dados às pessoas com transtornos mentais. Há um equívoco muito grande em achar (ou pior, ter a certeza) de que pessoas diagnosticadas com transtornos mentais apenas têm problemas mentais. Não sei as pessoas pensam assim na maioria porque são conduzidas mais pela mente do que pelo coração, entretanto, a verdade é que as pessoas diagnosticadas têm tantos desafios emocionais quanto desafios mentais.

Mente e emoção são coisas diferentes. Quando falamos de mente, atribuímos ao pensar e, quando falamos de emoções, atribuímos ao sentir. Uma pessoa diagnosticada com bipolaridade, por exemplo, pode SENTIR tristeza profunda, ou seja, apesar da mente ter ainda um grande papel no que ela está sentindo, são as emoções dela que estão determinando o seu atual estado.

Sentir e pensar estão, de fato, interligados, mas é uma falácia achar que diagnósticos como esquizofrenia, transtorno esquizoafetivo, bipolaridade e até mesmo depressão são atribuídos apenas ao pensar. Isso provavelmente é reflexo do mundo um tanto frio em que vivemos hoje.

Felizmente, você pode sempre se permitir sentir quando quiser e, assim, desfrutar de uma vida mais verdadeira e amorosa.

[Dia 23] Desafio Fitness de 30 dias

Mais um dia de treino em casa com muito Kung Fu! Dessa vez peguei leve nos exercícios de porrada para não cansar muito, mas ainda assim suei um bocado.

O meu sono tem melhorado um pouco nesses últimos 3 dias. Eu realmente pego no sono muito fácil, mas ainda tenho a mania de me desorganizar. Por exemplo, eu facilmente durmo tarde pra caramba (tipo 6h da manhã) e acordo tarde (tipo 2h da tarde) e entendo que isso pode afetar a qualidade do meu sono. Mas eu não diria que eu sofro de uma qualidade de sono muito ruim porque, quando eu durmo, não costumo acordar no meio da noite e acho que nem mesmo ronco muito.

No entanto, lembro que quando fiz a redução do antipsicótico no ano passado, eu tive muitos problemas para dormir. A minha cabeça não parava e cheguei até mesmo a ter ataque de pânico. Depois de uns 3 ou 4 meses as coisas normalizaram (ou seja, não precisei aumentar a dose novamente).

Eu gosto de me informar sobre os remédios e a verdade é que, na maioria das vezes em que se os reduz ou faz desmame, você vai sofrer com efeitos colaterais (e um deles é a piora do sono). Antes de fazer a redução do antipsicótico, eu sabia que poderia ter problemas no sono porque havia me informado, portanto, eu estava preparado. O que me pegou de surpresa mesmo foram os ataques de pânico (não imaginei que pudesse ser tão ruim).

Enfim, é sempre bom se informar bastante se quiser reduzir ou fazer o desmame dos seus remédios psiquiátricos. Já sofri efeitos colaterais com desmame de antidepressivos e redução de antipsicóticos, portanto, informa-te e busque apoio e ajuda antes de fazer qualquer uma das coisas.

Era isso por hoje. Muito obrigado!

[Dia 22] Desafio Fitness de 30 dias

Hoje foi o dia de fazer Pilates e a sessão de abdominais até que foi pesada. Alternar entre exercícios pesados e leves entre os dias está funcionando para mim.

Uma coisa que tenho notado na recuperação é de que nada adianta se focar em muitas coisas ao mesmo tempo. Estou focando em apenas uma meta, que é 30 dias seguidos de 1 hora de exercícios físicos, ou seja, estou construindo o hábito de me exercitar. Faço outras coisas, mas não as coloco como prioridade.

Eu já tentei me focar em 10 hábitos ou metas ao mesmo tempo e não consegui porque eu ficava sobrecarregado. O que acontecia é que, no primeiro mês, até conseguia dar conta dos hábito que estava tentando construir, mas depois disso as coisas não davam mais certo.

Então é importante não se sobrecarregar muito nas fases de recuperação de um transtorno. Eu, pessoalmente, gosto de ter o exercício físico como fundamento da minha recuperação. Quanto mais me exercito, mais engajado estou com a vida. Não significa que eu tenha que emagrecer ou esculpir o meu corpo, mas apenas me exercitar para esquentar o coração.

A quantidade de coisas a se focar depende de cada um, mas acredito que, no geral, pessoas que passaram por psicose precisam de maiores espaços de tempo, já que podem ter dificuldades para manejar os seus recursos emocionais. Um passo de cada vez é o ideal e não se deve ter medo de tentar, mesmo que se tenha falhado milhares de vezes.

[Dia 21] Desafio Fitness de 30 dias

Mais um dia de caminhada, e dessa vez com mais velocidade. Costumo fazer o meu percurso em 01h03m, mas hoje o fiz em 58m. Acho que a pressa de querer voltar pra casa para estudar foi o que me motivou (apesar de ficar ouvindo uma palestra do Flávio Augusto da Silva enquanto caminhava, o que ainda é aprendizado).

Estou muito satisfeito com a minha vida. Talvez eu nem mesmo tenha transtorno esquizoafetivo, mas independente do diagnóstico sou grato por ter pernas, braços, orelhas, olhos e estar respirando. Sou grato pela minha vida, por mais dificultosa que ela seja de vez em quando.

Os exercícios físicos me servem de analogia para o esforço que tenho que fazer para cuidar de mim mesmo e da minha vida. Por isso eu escolhi isso como o fundamento da minha recuperação. Desde que comecei a minha jornada de recuperação, tenho escolhido o exercício físico como termômetro e unidade de medida. Quanto mais disposto para me exercitar, mais disposto estou para viver.

Se um dia eu vou mudar de fundamento, eu não sei, mas por enquanto identifico os exercícios físicos como a tomada de ação básica para a vida. E eu melhoro em diversos aspectos: físico, emocional e cognitivo.

Lembro que, quando tinha uns 18 anos, eu usava a analogia dos exercícios físicos para fazer vendas nas lojas da minha família. Eu pensava: “já treinei Kung Fu arduamente por mais de 6 meses, portanto, atender mais de 50 clientes por dia é baba.” Lá pelos meus 16 anos, eu participei da minha primeira luta de Kung Fu na modalidade de Sanshou. Naquela época, eu treinava pesado e quase todos os dias (talvez os meus treinos árduos tenham excedido mais de 1 ano, entretanto, não me lembro direito), portanto, eu estava bem preparado para aquela luta e a venci por dois rounds direto (no Sanshou, você vence a luta se vencer 2 rounds primeiro).

Portanto, o trabalho árduo vale a pena e estar motivado para vencer é muito importante, mas não para simplesmente vencer o outro, e sim para vencer a si mesmo.

[Dia 20] Desafio Fitness de 30 dias

2/3 completos do desafio! Pelo menos para quem estava com medo de chegar até o dia 10, até que estou indo bem.

Apesar de eu ter parado a faculdade, encontrei um outro curso que faz muito a minha cara e que tenho uma paixão enorme: Coaching e Desenvolvimento Humano. É uma área pela qual sempre fui apaixonado, mas nunca tive muita coragem de perseguir. Eu acho que, sim, é um espaço cheio de gente picareta, mas eu busco uma formação séria, exercendo um trabalho de responsabilidade e, principalmente, empatia.

Parece que é um trabalho simples de se fazer, mas acho que se exige muita responsabilidade para ser um coach. Como coach, você lida com o estado mental e emocional da pessoa, portanto, de acordo com um artigo de David J. Ley (Ph.D) da Psychology Today, há certos critérios que todo coach deve conhecer para lidar com pessoas (principalmente aquelas com transtornos mentais e emocionais):

  • Ética e limites;
  • Abandono (o coach não pode abandonar o seu cliente);
  • Aspecto de confidência;
  • Responsabilidade;
  • Problemas médicos e de medicamentos;
  • Suicídio;
  • Autocuidado.

Vou trilhando o meu caminho da recuperação fazendo o que eu amo para ajudar as pessoas, e pode se ter certeza que quero estar muito bem preparado para isso.

Fonte:

[Dia 19] Desafio Fitness de 30 dias

Mais um dia de exercícios. Dessa vez, fiz uma série de exercícios similar a do dia 17, ou seja, alongamento, flexões, prancha, alguns exercícios leves com halter e movimentos de Sanshou. Provavelmente vou ficar dolorido amanhã, porque essa bateria de exercícios exige mais do corpo do que as caminhadas.

Em relação a “esquizofrenia”, descobri que existe uma síndrome causada pelos neurolépticos que faz com que os sintomas similares aos sintomas negativos apareçam. Chama-se neuroleptic-induced deficit syndrome (NIDS) e é causada pelos antipsicóticos. Quando a pessoa começa a tomar altas doses de antipsicótico (seja ele típico ou atípico), pode lhe trazer sintomas como apatia, falta de iniciativa, anedonia, indiferença, embotamento afetivo, retraimento social e insight reduzido.

Logo quando comecei a tomar os antipsicóticos no hospital psiquiátrico, foi quando eu notei que os meus “sintomas negativos” apareceram (principalmente o retraimento social). Eu tenho anotações do diário que eu escrevia no hospital, e há vários comentários de pessoas com quem eu interagia (além de que as lembranças que eu tinha eram de que eu interagia com as pessoas). Mas depois de algum tempo dentro do hospital, eu comecei a ficar com medo das pessoas e não queria conversar com ninguém. Eu fiquei extremamente retraído, sem iniciativa, parecia que carregava uma mochila de pedra nas costas e, na maior parte do tempo, queria ficar dentro do meu quarto.

Há chances de eu ter tido essa síndrome dos neurolépticos, mas acho que isso não exclui a possibilidade de um diagnóstico de transtorno esquizoafetivo. Eu, de fato, tive delírios antes da minha internação e devo ter tido fala desorganizada por um longo período de tempo (só não sei dizer se foi por mais de um mês). De acordo com o DSM-V, isso caracteriza esquizofrenia ou transtorno esquizoafetivo, mas ainda assim acho que há possibilidades de os meus “sintomas negativos” terem sido causados pelos antipsicóticos.

Hoje, praticamente não tenho sintomas negativos e as melhoras aconteceram quando comecei a reduzir a dose do meu antipsicótico. Tomo uma dose muito baixa (menor do que a recomendável para pessoas com o mesmo diagnóstico que o meu) e interajo normalmente com as pessoas. Tirando as minhas instabilidades emocionais (que estão muito melhores do que antigamente), eu levo uma vida normal.

Enfim, apesar do DSM-V e diagnósticos, eu não acredito muito que rótulos ajudem na recuperação total do transtorno. Quando eu falo em recuperação total, falo em não precisar de nenhuma ajuda do sistema de saúde mental, seja de terapeutas ou de remédios (para maiores informações sobre a recuperação total de transtornos com psicose, recomendo ler os artigos e textos em inglês deste site: https://recoveryfromschizophrenia.org/).

Há uma jornada sendo trilhada por mim para a recuperação total do “transtorno esquizoafetivo”. Apesar de eu não ter mais delírios desde 2015, ainda tenho mecanismos de defesa psicológicos que quero lidar (todo o mundo tem na verdade, mas cada um tem de uma forma diferente). Então, quando falo de cura, é disso que eu estou falando, de ter autonomia sem nenhuma ajuda do sistema de saúde mental (isso não significa nunca mais precisar do sistema de saúde mental, já que qualquer um é suscetível de um dia precisá-lo).

Era isso por hoje! Até a próxima!

Fontes: